O que é que deve suceder quando saímos dum museu?

No final da visita a um museu temos de ter consciência do que nos sucedeu. Temos de incorporar o processo de mudança que deverá ocorrer pela observação e vivência dos elementos patrimoniais. Há portanto um movimento de reconhecimento dos objetos do mundo e um reconhecimento de si. Será aquilo a que podermos definir como a relação museológica. Um movimento de encontro com o mundo (representado) e com o si mesmo (como experiencia). Essa relação é simultaneamente objetiva (o encontro com um objeto) e subjetiva (um encontro com a subjetividade do sujeito) gerando-se uma relação intersubjetiva (um movimento de reconfiguração dos objetos do mundo e do sujeito.

Os museus clássicos tem sobretudo privilegiado a relação entre os visitantes e os objetos. A construção da narrativa dos objetos acontece fora da participação dos sujeitos visitantes. A narrativa é construída por mediadores (curadores) que transportam um conhecimento universal e válido. Uma verdade que se destina a ser transmitida nessa precisa forma.

No caso dos museus inovadores procura-se que a construção da narrativa, não só possa se feita pelos sujeitos de forma participativa, como sobretudo procura criar um momento de encontro com o próprio sujeito. A relação intersubjetiva é uma relação que procura criar uma autonomia critica do sujeito.

Nesse sentido um museu serve como laboratório social para facilitar o modo como olhamos para o mundo, para criar experiencias de encontro com os outros e connosco.

O sentido que emerge dos museus críticos e inovadores, não é apenas o de suscitar a participação dos sujeitos na construção das narrativas. É o também de propiciar uma emergência consciência sobre o mundo e sobre nós mesmos, usando os objetos patrimoniais em contexto. É também o de sobretudo a permitir criar coisas novas, fazendo emergir a criatividade a autonomia.

Nesse sentido o valor dos objetos dos museus, do património e das memórias sociais não é o que se tem mas o que se pode fazer com ele. Serve para podermos viver melhor e mais felizes.

Os museus, objetos e espaços patrimoniais, memórias e heranças coletiva deverão ser espaços vivos e de inovação que permitam encontros e experiencias. São laboratórios onde podemos experimentar combinação de ideias. É através do encontro que se produz transformação.

Publicado por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural Museu Afro Digital - Portugal. Museu da Autonomia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: