Categorias
Diversidade Cultural

Vinho: Museologia e Globalização III

1.3 Cor e luminosidade

A avaliação sensorial do vinho envolve a avaliação da sua aparência, aromas, sabor, sabor e textura ou sensação na boca do vinho usando os sentidos da visão, do olfato, do paladar e do tato. A perceção dos atributos sensoriais contribuídos pelos vários componentes do vinho – principalmente álcool, açúcares, ácidos, cor e tanino e compostos de aroma e sabor – determina nossa impressão geral da qualidade do vinho.

A observação do vinho é o primeiro passo para avaliar o vinho. Basta olhar para a sua cor e verificar se tem uma cor limpa e brilhante. A sua clareza do permite a sua avaliação visual. A sua cor é descrita em termos de intensidade ou profundidade e matiz ou tonalidade da cor.

Na descrição da tonalidade da cor dos vinhos brancos e tintos incluem termos que vão do incolor a amarelo dourado, para os vinhos brancos; de laranja a rosa salmão para vinhos rosés, e de rubi a roxo e cor de tijolo para vinhos tintos. Em alguns casos a tonalidade do vinho pode ser descrita como castanha. Em vinhos generosos isso poderá ser aceitável, mas geralmente indica que os vinhos estão oxidados, o que é frequente em vinhos brancos antigos.

Os vinhos comerciais geralmente apresentam uma boa cor e podem ser descritos como brilhantes, brilhantes, límpidos ou transparentes. Em contraste, vinhos de baixa clareza podem ser descritos como opacos ou turvos, nubloso ou pastoso

A avaliação visual do vinho também pode indicar a sua idade, o seu estilo e a qualidade do vinho. A cor do vinho intensifica-se significativamente com o seu envelhecimento. Por exemplo, um vinho branco jovem pode apresentar inicialmente uma tonalidade pálida, palha ou até mesmo incolor, mas com o tempo, a cor tenderá a tornar-se mais amarelada. Da mesma forma, a intensidade de uma cor de vinho tinto irá diminuir com a sua idade.

Os tons roxos de um vinho tinto jovem irão gradualmente progredir para vermelho e então vermelho tijolo e, eventualmente, vermelho acastanhado à medida que envelhecem.

A viscosidade de um vinho fornece uma indicação de seu corpo e, portanto, das suas caracterisitica, e pode ser facilmente avaliada girando o copo espalhando o vinho pelas paredes do copo. Vinhos que contêm altos níveis de açúcar ou álcool podem rasgar a superfície do vidro devido à tensão superficial. Esse movimento vai ajudar a libertar os aromas e dá-lhe uma perceção da força do vinho, pela maior ou menor viscosidade da lágrima que fica nas paredes do copo. Vinhos doces e fortificados são bons exemplos de vinhos viscosos. Os vinhos de corpo leve são consideravelmente menos viscosos e, portanto, parecerão mais aquosos em comparação.

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.