Categorias
Diversidade Cultural

Poética da autonomia XVIII – Reiventar a portugalidade(O Lugar de Portugal no Mundo II)

Demos conta no último postal das profundas transformações que aconteceram no mundo, colocando a hipótese que a atual crise mundial do COVID19 ajudou a acentuar. Nesse novo cenário, o posicionamento português no mundo foi afetado nos seus vários fatores estratégicos, o seus três pilares: relação transatlântica, relação com a Europa, e Relação com África.

Ora neste cenário multilateralista, as relações na balança de poderes eram e continuam a ser distintas. Deixando agora de lado as transformações globais que já analisamos, interessa talvez refletir um pouco sobre o pilar africano. Já mais acima afirmamos que este pilar em parte é absorvido pela estratégia no âmbito da CPLP, embora não se restrinja a ela.

Não podemos no entanto analisar as relações no âmbito da CPLP, sem entender a profunda transformação que as relações com África implicaram com a entrada de Portugal na CEE. Não é apenas uma relação de continuidade de laços e afetos históricos, ainda que condicionados pela relação colonial violenta, mas foi também uma relação que esses países puderam eles próprios puderam beneficiar por essa mais-valia acrescida de pertença da antiga metrópole colonial a uma nova realidade, de que esses países podiam, ainda que indiretamente, beneficiar.

Se essa nova relação permitiu ultrapassar as tradicionais áreas de influenciar em África, também é verdade que ara além de “áreas de negócio”, pouco mais benefícios podem ser alocados. Esta é na verdade uma “real politique” que permite alargar mercados no contexto da globalização, em muitos casos usando como parceiros de negócios as comunidades de emigrantes em vários países africanos (com a África do Sul, a Venezuela e o Brasil como principais parceiros). Mas olhando com alguma atenção, podemos verificar que nestes anos essas relações se ampliaram, com a máquina diplomática a passar a servir de “agente promotor”. Foi um salto qualitativo importante. Mas os negócios são ações de se concretizam em função da confiança e satisfação dos parceiros. É ela própria uma realidade fluida, cada vez mais fluida e dependendendo da capacidade de inovação.

Mas regressado à questão da relações com os países africanos, naquilo que vulgarmente se chama a política de cooperação, na atual situação a capacidade de mobilização de recursos do Portugal, e falamos de recursos financeiros e humanos é diminuta e sofreu alguma erosão.

Financeiramente, ainda que em algumas áreas Portugal possa beneficiar de algumas vantagens de pertença à Europa acedendo a fundos comuns, de um modo geral o volume de ajuda financeira que pode alocar às ações de cooperação são diminutas, por comparação com os estados destinatários. São não só escassas como com pouco impacto global.

Em relação aos recursos humanos a situação também não é mais favorável. Apesar dos vastos anos de experiência e contato que algumas instituições tiveram com as realidades africanas, em regra as universidades portuguesas não tem uma oferta formativa adequada às realidades africanas. Como o Instituo Camões adota aquilo que se chama uma “cooperação delegada” corporizada em projetos de diversas ONG, de pequena dimensão com fracos recursos próprios e a pessoas com qualificações deficientes para trabalhar em contextos africanos. O conjunto de questões problemas que até aqui evidenciamos, haverá outras tantas de valor positivo que podem ser referidas. É nesse balanço, entre a capacidade de valorizar o que é bem feito corrigir o que está mas feito, e a capacidade de inovar e de bem-fazer que se jogará o futuro da relação com África.

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.