Categorias
Educação patrimonial

Memória dum Mundo Perdido IV – os cafés da Europa

Sobre a Crise do COVID19 e o contexto da crise da Europa esboçamos no último postal a forma como a Europa Resolve a suas crises. Enunciamos aí dois problemas: o risco financeiro e o autoritarismo. Para contrariar essa tendência há que olhar para o que diferencia a Europa do Resto do mundo.

E o que diferencia a Europa são os Cafés. É portanto imperioso que os atores culturais reivindiquem, neste tempo de crise sanitária e económica a reabertura dos Cafés.

São duas formas como a Europa te, lidado com as crises. A mais usada tem sido a estratégia de lançar dinheiro sobre os problemas. A segunda, que se tem vindo a insidiar de forma mais ou menos silenciosa, tem sido o autoritarismo.

Ainda antes que programas de recuperação económica, a primeira medida que um Ministro da Cultura deveria ter é a reabertura dos cafés.

Os cafés, como notou George Steiner, num livro com o título “A Ideia da Europa”, (publicado entre nós pela editorial Gradiva em 2005) são lugares de debate e criação. Lugares de construção da rebeldia e da insurgência. São lugares de gestação de ideia e criatividade.

Sem estes lugares de debate e encontro não estaremos em condições de recuperar da pandemia. De sair do confinamento que estra crise do COVID19 nos empurrou que não é mais do que um sinal da impotência do humano em lidar com a sua própria perecibilidade.

Ontem, após várias horas de reunião os ministros das finanças da Europa, no âmbito do Eurogrupo, finalmente chegaram a um consenso de lançar meio milhar de milhões de euros na economia.

Lançar dinheiro sobre os problemas. É este o modo da europa lidar com as crises. Foi assim com a crise de 2008. Foi assim com a Crise dos Refugiados. Com as crises Humanitárias na Líbia, na Síria.

Para além da retórica entre os poupados e os gastadores, que faz lembrar a velha querela entre o protestantismo austero das cultura do norte, e o catolicismo barroco das cultura mediterrânicas, a Europa parece incapaz de ultrapassar a sua visão financeira e incluir uma visão cultural para ultrapassar mais esta crise.

E com parece incapaz de ultrapassar a crise, é muto natural que os populismos e o autoritarismo se acentuem. Estamos num cenário propício ao autoritarismo. As fronteiras fecharam-se. As pessoas estão impedidas de circular. A economia tinha até aqui um baixo crescimento, vai agora tombar vários dígitos. A crise das dívidas soberanas nunca foi ultrapassada, mantendo-se elevada em vários países. O desempenho da economia europeia, embora forte, está longe de ser distribuído de forma generosa pelo tecido social europeu.

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.