O Gerador (Crónica da Guiné XVIII)

Há por aqui um velho gerador. Jaz triste, empeirado, exposto às intempéries inclementes de África. Foi feito para trazer luz. Para dar energia a quem dela necessite. Jaz emudecido. Tem inscrito as organizações doadoras. Foi gasto dinheiro para o comprar, para o manter. Podia dar luz e e energia. Da dó vê-lo ali no canto,Continuar lendo “O Gerador (Crónica da Guiné XVIII)”