Categorias
Sem categoria

Kunsi Balun de si (Crónica da Guiné XVII)

“Tomar conhecimento de si” é o modo tacanho como traduzi uma frase que me foi dita hoje em Bissau por uma quitandeira. Não sei se e assim.que se chama as vendedoras de rua. Aqui, ao longo da rua Oswaldo Vieira, quando se desce em direção ao porto, ao sabado de manhã ha um mercado de rua. E possível comprar ostras, camaroes, lambujinhas e outros peixes.

Expostos ao sol e as inclemência do tempo, não me parece recomendável o consumo ao natural das ostras, que são apanhadas nos tarrafes. Um outra palavra que aqui apendi, de onde vem o nome do Tarrafal, que nos anos 30, quando ali se instala o campo de concentração, estava cheio de mangais.

Ia eu pela avenida que leva o nome do tal comandante da frente leste, paro em frenta da quitandeira, pergunto-lhe o preço das ostras, 1.500 Xofs.

-Caro digo-lhe. Responde me ela: Cada um sabe se si em Kriol.

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.