Categorias
Sem categoria

Pano di Pinti (Crónica da Guiné XIII)

A malta coperante que antigamente vinha para a Guiné-Bissau, geralmente professores envolvidos nos processos de alfabetização, regressavam sempre com os célebres panos de pente (em Krioul Pano di Pinti). De padrão geométrico, de cor cinzenta, geralmente usado à volta do pescoço, ajudava a suportar a invernia lisboeta e ao mesmo tempo dava uma ar exótico.

Ora hoje decidi explorar o mercado do Badim, a procura dos ditos panos, patrimonio da Guiné-Bissau, hoje com concorrência feroz dos panos sintetico made in Indonésia.

A diferença de qualidade é grande. Feitos à mão pelo faical, em fibras naturais foram eram usados pelas personagens mais relevantes da sociedade mandjaka e os seus padrões contavam historias dos griots.

Mercado do Badim

e

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.