Categorias
Billets

Neurociência Social e as aprendizagens expansivas

As aprendizagens expansivas trabalham no reino da probabilidade infinita, mobilizando a criatividade e as metodologias de resolução de problemas. As aprendizagens expansivas surge na teoria da educação no final dos anos oitenta, o norte da Europa, influenciada pelos estudos de então psicologia da escola soviética (a corrente histórico-cultural de Vygotsky, Leontiev, Ilyenkov e Davydov). Uma corrente que hoje encontra acolhimento no que temos vindo a classificar como neurociência social. Em termos muito simples, defende-se que as aprendizagens, tal como o conhecimento resultam da estrutura biológica do cérbero e da atividade social (na dialética chamava-se histórico-cultural). Mente e Cérebro, com estudou Searle, não são dos objetos distintos, mas interdependentes.

As aprendizagens lineares têm como paradigma a aprendizagem do Livro. É uma aprendizagem do mundo conhecido. Parte da experiência vivenciada, integra no conhecimento humano pré-existente, construindo novos conhecimentos a partir dessa base. É um conhecimento arborescente, evoluindo a partir dum tronco comum, ilustrado pela metáfora da árvore, onde cada ramo representa uma disciplina científica, que esclarece um determinado tipo de problemas.

Os estudos baseados nesta teoria orientam-se para várias linhas de pesquisa:

  • A aprendizagem como transformação do objeto;
  • A aprendizagem expansiva como movimento na zona de desenvolvimento proximal;
  • A aprendizagem expansiva como ciclo de ações de aprendizagem;
  • A aprendizagem expansiva como cruzamento de fronteiras e construção de redes;
  • A aprendizagem expansiva como movimento distribuído e descontínuo e intervenções formativas.

As teorias da aprendizagem expansiva tem como objetivo entender como é que as aprendizagens se desenvolvem como processo ao longo da vida e ajudam os profissionais a gerar novas aprendizagens, incluindo as novas questões que a humanidade está a enfrentar. Por exemplo, o aquecimento global, a extinção biológica, o crescimento demográfico, a escassez de água potável, etc.

A teoria da aprendizagem expansiva forma-se a partir de análises de baixo para cima, e de fora para dentro, pensando as aprendizagens como redes de sistema de atividade e comunicação, interconectados com objetos compartilhados ou parcialmente e frequentemente contestados. Trata-se de objetos subjetivos que são analisados pela experiência sensorial, pela emoção, pela personificação, identidade e compromisso moral, através da metodologia da Intersubjetividade.

Bibliografia

Yrjö, Engeström, Annalisa, Sannino (2010). Studies of expansive learning: Foundations, findings and future challenges, in Educational Research Rview, Volume 5, Issue 1, 2010, Pages 1-24 .

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.