Categorias
Educação patrimonial

Pedagogia da Autonomia

As abordagens da pedagogia da autonomia, de influência libertária, distinguem habitualmente os objetivos educativos em três categorias: a educação como reprodução de saberes, técnicas e valores, as pedagogias da emancipação, que se preocupam com o desenvolvimento dos indivíduos e ou transformação da sociedade; e a “pedagogia da redenção”. A pedagogia de redenção, é pouco usada na conceção de sistemas de educação, remetendo-se para outras instituições sociais, de correção e ou de formação de adultos.

A pedagogia da autonomia de influência libertária insere-se nas linhas da transformação dos indivíduos e da sociedade, acentuando a dimensão libertária, não violenta e autogestionária dos processos. Como prática educativa parte da participação dos alunos em grupos, valoriza os processos de decisão pela democracia participativa. A pedagogia libertária tem vários pontos de convergência com algumas propostas pedagógicas, como o Método Moderno, O MEM, A Educação para Paz, A educação para a liberdade.

A experiencia pedagógica passa pela produção de conhecimento relevante em grupo, da reflexão das experiencias vivenciadas e na proposta de desenvolvimento de processo de ação autogestionados. O processo educativo é sempre anti autoritário, não violento de não diretivo.

O papel do professor é nesse sentido um mediador que ajuda e aconselha no desenvolvimento de atividades, podendo efetuar alguma tutoria não diretiva, partindo da identificação que cada aluno faz das suas necessidades.

Com base no trabalho em grupo, cada indivíduo tem a liberdade de escolher participar. Mas o grupo deve discutir todas as questões, e deve desenvolver atividade de integração dos vários membros.

A pedagogia da autonomia procura desenvolver os conhecimentos relevantes. Por essa razão, a medida de avaliação dos processos é a sua adequação à pratica social e em relação ao seu potencial de uso.

Alexander Neill e Carl Rogers são grandes influenciadores da Pedagogia da autonomia. Na América do Sul nota-se a influência de Michel Lobrot[1] e Paulo Freire. Na Europa, por vezes refere-se a influencia do trabalho de Célestin Freinet, e do Movimento de Escola Moderna. Algumas escolas “Paideia” Escola Livre; Orfanato Cempuis (1880 – 1894), de Paul Robin, O movimento das Escolas Modernas (1901 – 1953), iniciado por Francesc Ferrer i Guàrdia, A Colméia (1904 – 1917), de Sébastien Faure. Summerhill (1921 – atual), de A.S. Neill


[1] Michel Lobrot (n.1914). Desenvolveu a pedagogia não diretiva com base no Trabalho de Carl Rogeres

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.