Categorias
Educação patrimonial

Celestin Freinet (1896 -1966) A Escola Moderna

Celestin Freinet (1896 -1966) A Escola Moderna

Na Europa, e em particular em França, Feinet é considerado o pedagogo que mais desenvolveu a aplicação do método de projeto e a pedagogia do projeto. De acordo com a sua proposta, a criança deve compreender o mundo na sua complexidade através do rigor do pensamento com base na pesquisa reflexiva.

Com uma vivência nas pedagogias da autonomia de Bakunine, adepto e defensor da Escola Nova, Freinet desenvolveu o seu método com base na ideia da Escola Democrática, onde para além das técnicas pedagógicas, também o ambiente escolar e o meio social onde a escola se insere, não devem ser ignorados pelo pedagogo. A sua proposta parte do objetivo da ação educadora, de formar sere humanos. Por isso o educado dever envolver-se com a vida da sua comunidade, participando em associações e movimento sociais, através das quais é possível contribuir para a formação dos alunos. Na sua filosofia o trabalho do educador deve orientar-se para o desenvolvimento de ações cooperativas e solidárias, usando o mínimo de recursos (a reciclagem de materiais deriva de várias experiencias de pedagogia em áreas pobres)

A sua experiencia na primeira guerra mundial, torna-o um pacifista convicto. Também em resultado das lesões sofridas, desenvolveu o processo de impressão de materiais criados na sala de aulo, os jornais de parede e os jornais escolares, onde os alunos pesquisavam e discutiam os seus resultados.

Em 1924 Freinet criou uma cooperativa de trabalho com professores na aldeia onde viva, que é considerada o berço da Escola Moderna em França. Ainda na sua aldeia pobre. Inicia o programa de correspondência escolar. Publica o livro “A Imprensa na Escola” e durante os anos seguintes, com o agravamento das tensões autoritárias, é expulso do sistema de ensino e cria a sua prórioa escola, com Romain Rolland que ficou conhecido como “Frente da Infância”. É preso nos campos de concentração nazi. Após o final da guerra cria o ICEM, Cooperativa do Ensino Leigo. Em meados dos anos 50 é criada a Federação Internacional dos Movimentos da Escola Moderna (Fimem), que reúne educadores de todo o Mundo, tendo representações nacionais, conhecidos como o MEM – Movimento da Escola Moderna

A sua proposta pedagógica tem como objetivo dar ao aluno um trabalho que esteja conectado com a sua experiencia. Parte da identificação dos interesses da criança, de análise do processo de construção do seu conhecimento. A observação é um instrumento de trabalho do professor. A observação do trabalho em sala de aula é o processo que leva o educador a gerir o seu tempo e intervenção, com base na motivação da vontade de apreender do aluno.

O aluno aprende com a experiencia, mas necessita do apoio dum tutor para prosseguir. Por isso a observação do professor deve também dirigir-se para o meio onde o aluno vive, permitindo capturar a realidade vivida e criar janelas para propostas de trabalho pedagógico. Todo o trabalho dos alunos devem ser orientados para a reflexão crítica. O projeto deve ser comunicado aos pares, mas devem também ser feitos projetos de jornais, de visitas de estudo, correspondência escolar. O tutor deve procurar usar várias ferramentas para conectar os alunos com as suas realidades.

Na proposta pedagogia de Freinet são definidos Invariáveis Pedagógico. Trata-se dum conjunto de princípios de práticas educativas que devem ser levados em linha de conta, independentemente do lugar e do tempo.

Os pilares onde assenta a proposta de Freinet são:

  • A criança é da mesma natureza que o adulto.
  • Ser maior não significa necessariamente estar acima dos outros.
  • O comportamento escolar de uma criança depende do seu estado fisiológico, orgânico e constitucional.
  • A criança e o adulto não gostam de imposições autoritárias.
  • A criança e o adulto não gostam de uma disciplina rígida, quando isto significa obedecer passivamente uma ordem externa.
  • Ninguém gosta de fazer determinado trabalho por coerção, mesmo que, em particular, ele não o desagrade. Toda atitude imposta é paralisante.
  • Todos gostam de escolher o seu trabalho mesmo que essa escolha não seja a mais vantajosa.
  • Ninguém gosta de trabalhar sem objetivo, atuar como máquina, sujeitando-se a rotinas nas quais não participa.
  • É fundamental a motivação para o trabalho.
  • É preciso abolir a escolástica.
  • Todos querem ser bem-sucedidos. O fracasso inibe, destrói o ânimo e o entusiasmo.
  • Não é o jogo que é natural na criança, mas sim o trabalho.
  • Não são a observação, a explicação e a demonstração – processos essenciais da escola – as únicas vias normais de aquisição de conhecimento, mas a experiência dos sentidos que é uma conduta natural e universal.
  • A memória, tão preconizada pela escola, não é válida, nem preciosa, a não ser quando está integrada no tateamento experimental, onde se encontra verdadeiramente a serviço da vida.
  • As aquisições não são obtidas pelo estudo de regras e leis, como às vezes se crê, mas sim pela experiência. Estudar primeiro regras e leis é colocar o carro na frente dos bois.
  • A inteligência não é uma faculdade específica, que funciona como um circuito fechado, independente dos demais elementos vitais do indivíduo, como ensina a escolástica.
  • A escola cultiva apenas uma forma abstrata de inteligência, que atua fora da realidade fica fixada na memória por meio de palavras e idéias.
  • A criança não gosta de receber lições autoritárias.
  • A criança não se cansa de um trabalho funcional, ou seja, que atende aos rumos de sua vida.
  • A criança e o adulto não gostam de ser controlados e receber sanções. Isso caracteriza uma ofensa à dignidade humana, sobretudo se exercida publicamente.
  • As notas e classificações constituem sempre um erro.
  • Fale o menos possível.
  • A criança não gosta de sujeitar-se a um trabalho em rebanho. Ela prefere o trabalho individual ou de equipe numa comunidade cooperativa.
  • A ordem e a disciplina são necessárias na aula.
  • Os castigos são sempre um erro. São humilhantes, não conduzem ao fim desejado e não passam de paliativo.
  • A nova vida da escola supõe a cooperação escolar, isto é, a gestão da vida pelo trabalho escolar pelos que a praticam, incluindo o educador.
  • A sobrecarga das classes constitui sempre um erro pedagógico.
  • A concepção atual das grandes escolas conduz professores e alunos ao anonimato, o que é sempre um erro e cria barreiras.
  • A democracia de amanhã prepara-se pela democracia na escola. Um regime autoritário na escola não seria capaz de formar cidadãos democratas.
  • Uma das primeiras condições da renovação da escola é o respeito à criança e, por sua vez, a criança ter respeito aos seus professores; só assim é possível educar dentro da dignidade.
  • A reação social e política, que manifesta uma reação pedagógica, é uma oposição com o qual temos que contar, sem que se possa evitá-la ou modificá-la.
  • É preciso ter esperança otimista na vida.

A proposta pedagógica de Freinet implicas um diálogo constante com outras experiencias. Defendia que cada professor devia manter um diário sobre o trabalho desenvolvido, devia trocar correspondência com os seus pares.

Dava uma grande importância ao trabalho na sala de aula, que considerava o centro da atividade educativa, mas procurava estimular a contaminação desse espaço pedagógico por questões trazidas pelos alunos do mundo vivido. A escola é vista como um laboratório de experiencias relevantes. Na proposta pedagógica de Freinet é o trabalho de projeto que permite o desenvolvimento reflexivo, sendo a ação um aferidor da adequação à realidade. Para Freinet a ação concreta, permite a construção de pensamentos abstratos.

O desenvolvimento da atividade pedagógica implica a pesquisa, a recolha de documentação, a análise, e a formulação de uma proposta de comunicação, sando as técnicas adequadas. Neste processo o tutor intervém, ajudando na organização trabalho, motivando o aluno e o grupo. Um bom processo de aprendizagem exige alunos motivados e focados nas suas tarefas. Cada aluno deve-se sentir livre para procurar resposta aos seus problemas. Contuso essa é uma liberdade relativa, pois os problemas de cada um devem ser também problemas coletivos. E é nessa interação entre o individual e o coletivo que a liberdade do aluno se exerce, devendo cada um procurar contribuir para o resultado comum. O projeto de educação para Freinet pode traduzir-se como um processo de ultrapassar obstáculo. Um treno de solução de problams.

O método moderno desenvolvido por Freinet está apoiados num conjunto de técnicas que se desenvolvem na sala de aula:

  • A assembleia de turma, no inicio dum período de aprendizagem (ano escolar, período, semana), onde são definidos os grandes objetivos (trabalho de projeto), idealmente por escolha dos alunos.
  • A elaboração de PIT – Planos Individuais de Trabalho. Que dão corpo à necessidade de concretização de exercícios pedagógicos de expressão (escrita, gráfica, de movimentos, de aritmética) envolvendo o trabalho e a reflexão sobre os pontos fracos do aluno. Os PIT são os instrumentos de autoavaliação e são constituídas por fichas preenchidas pelos alunos, como forma de registrar a própria aprendizagem
  • A Visita de Estudo: com deslocações na envolvente da escola sobre questões do interesse dos alunos;
  • A Autocorreção: modalidade de correção de textos feita pelos próprios autores, no caso os alunos, sob a orientação do educador
  • A Correspondência Interescolar: atividade largamente utilizada por Freinet, na qual os alunos se comunicavam com outros estudantes de escolas diferentes
  • O Fichário de consulta: fichas criadas por alunos e professores, para suprir as lacunas deixadas pelos livros didáticos convencionais
  • A Imprensa escolar: os textos escritos pelos alunos tinham uma função social real, já que não serviam meramente como forma avaliativa, já que eram publicados e lidos pelos colegas
  • O Livro da vida: caderno no qual os alunos registram suas impressões, sentimentos, pensamentos em formas variadas, o qual fica como um registro de todo o ano escolar de cada classe
  • O Trabalho de projeto, que se desenvolve em torno de um trabalho em grupo, em torno de umtema comum, desenvolvido num dado período de tempo. Estes trabalhos de grupo permitem percorrers as aprendizagens essenciais.
  • O Texto Livre: tipo de texto em que o aluno não é obrigado a escrever como nas escolas tradicionais. É livre em formato e em tema. Relaciona-se com a técnica da Imprensa Escolar, Livro da vida e Correspondência Interescolar

A metodologia da escola nova é considerada adequada ao desenvolvimento do pensamento crítico, da análise e desenvolvimento do pensamento científico.

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.