Categorias
Billets

Árvore das Memórias – Laboratório de Educação Patrimonial no Vale da Amoreira

Sessão de Educação Patrimonial no Vale da Amoreira.

Estar preparado para trabalhar com:

  • kik Roman Ato
  • Tradição Oral
  • Tradição de Música e Dança

Proposta de sessão 1. Identificar as dificuldades e necessidades existentes na escola, para apresentar as ferramentas da educação patrimonial que podem ajudar o processo educativo.

Desenvolvimento da Sessão:

  1. Aquecimento do grupo

a)Apresentação dos participantes.

  1. b) Diagnóstico participativo

Cada participante escreve num post it de cor diferente uma ou maias dificuldades e uma ou mias necessidade que sente.

De seguida colocam no quadro os contributos individuais de forma aleatória

Resultados

  • Que Dificuldades e que necessidades cada a um sente

Dificuldades

Necessidades

 

§  Realização do Trabalho

§  Chegar aos Alunos

§  Aprender * *

§  Ter um maior conhecimento sobre culturas e costumes de outras etnias

§  Não conseguir corresponder aos desafios

§  Ensinar

§  Preocupação com diferenças culturais

§  Adaptação

§  Motivação

§  Recursos Materiais

§  Integrar Todos

§  Recursos Materiais

§  Novas Ferramentas de Trabalho

§  Percursos Materiais

§  Mais flexibilidade de adequar os programas às necessidades e realidades dos alunos

§  Conhecer as culturas **

§  Como motivar os alunos para a importância da escola na vida ativa

§  Disciplina

§  Futuro

§  Cativar todos os alunos

§  Colocar em prática com os alunos

§  Manter os alunos motivados

 

Após a fixação os participantes foram convidados a explorar o espaço. A olhar o outro a cumprimenta-lo.

Se seguida forma convidados a pronunciar em voz alta, a necessidade e a dificuldade que sentiram.

2 Dramatização

Foi dada uma indicação de formação de 4 grupos criados a partir das vozes escutadas. 4 Ideias que agrupassem as ideias lançadas no grupo.

Foram apanhadas 4 ideias: motivação, aprendizagem, concentração e disciplina.

Os participantes foram convidados a agrupar-se em torno das 4 ideias. Cada um foi convidado a pronunciar-se sobre a forma como pensa sobre a palavra e que soluções pode ter. Primeiro cada elemento do grupo, de seguida os restantes membros foram convidados a comentar.

Feita a roda de conversa, verificou-se que havia uma convergência nas diferentes intervenções, sobre problemas de disciplina em contexto da escola.

Foi sugerido que alguns dos exemplos apresentados fossem dramatizados para que pudessem ser debatidos.

Um dos problemas apresentados, foi a intensidade de conflito entre alundos no período de almoço numa das escolas do primeiro ciclo. Foram apresentadas algumas soluções já realizadas no agrupamento, no passado, que podem contribuir para a resolução. Por exemplo nomear um “chefe” entre os alunos mais ativos, propondo-lhe que ajudasse a “controlar” o tempo de almoço, com oferta dum incentivo/reconhecimento da escola, caso obtivesse sucesso.

No final foi feito uma conversa sobre as soluções. Embora a questão não estivesse diretamente relacionada com o processo educativo em sala de aula, este tipo de questões acabam por ter impactos. A comunidade, incluindo auxiliares e alunos podem e devem ser mobilizados para criar regras que se sintam implicados.

Outro exemplo apresentado também sobre a questão da disciplina em contexto escolar, permitiu apresentar algumas situações vivenciadas pelos professores, que na motivação para a participação nas aprendizagens, quer na manutenção da disciplina no processo educativo.

Foi dramatizada uma pequena situação, em que um dos participantes, desenvolvi o papel do aluno “rebelde” e um outro participante o papel do professor. Sobre o desenvolvimento do drama foram discutidas e apresentadas diversas alternativas para os professores.

  1. Reflexão – Debate

Os participantes foram convidados a sentar-se nas suas mesas e, durante 10 minutos a debater o que tinha sido vivenciado e sobra a sua utilidade para o processo educativo. Foi ainda brevemente apresentada a metodologia de trabalho usada (sociodrama em educação). No decorrer do debate verificou-se que as questões da disciplina e motivação constituem dois problemas complexos na escola. Problemas que derivam do contexto muito específico da comunidade cigana local. Verificou-se ainda que que entra alguns dos participantes estava muito presente um incidente que se tinha verificado na escola. Como se tratava dum conflito, foi proposto que na segunda parte da sessão se aborda-se especificamente a forma de resolução dos conflitos.

Após o intervalo de 10’ os participantes forma convidados a descrever o “incidente” que foi de seguida dramatizado. Após a dramatização procurou-se identificar as causas do incidente e refletir sobra algumas ferramentas que podem ser usadas pelos professores para enfrentar este tipo de situação.

Foram apresentadas sumariamente algumas técnicas de resolução de conflitos, nomeadamente o seu uso para o desenvolvimento de processo educativos. Chamou-se a atenção para distinguir as questões disciplinares das questões do uso do conflito para a relação sobre a atitude na sala de aula.

Das conclusões tiradas verificou-se que muitas vezes este tipo de incidentes, tem a sua origem em situações culturais vivenciadas pelos alunos fora da escola, que aí encontram reflexo. Há que lidar com essas questões, reconhece-las e procurar soluções.

As técnicas de resolução de conflitos que podem ser usadas em contexto educativo, sumariamente, passam pelo reconhecimento das causas do “evento”, seu desenvolvimento (barra cronológica) e do papel de cada protagonista. Feita uma “reconstituição” é importante que cada um dos protagonistas tome a palavra do outro, para descrever o incidente, a partir da outra voz. É importante que cada se reconheca a si e o lugar do outro e que o assunto seja discutido em grupo, para que possam ser encontrados alguns compromisso que evitam a sua eclosão em contexto escolar, distinguindo a escola d a vida da comunidade. Nessa ação o professor titular tem um papel de mediador, e deverá ter apoio de mediadores ou outroas ajudas que a escola possa disponibilizar.

Chamou-se inda a tenção para que este tipo de problemas, que resultam das heranças patrimoniais dos alundos, fazem parte do processo de educação patrimonial e podem e devem ser usadas para os processos de aprendizagem.

Apresentação do processo de Expografia

Breve Balanço:

O processo de diagnóstico acabou por identificar que as preocupações e necessidades apresentadas pelos professores correspondem às experiencias vivenciadas em contexto educativo. A educação patrimonial poderá ser usada como ferramenta educativa, se em simultâneo, for capaz de responder às preocupações com a motivação do alunos e encontrar soluções educacionais adequadas aos processos educacionais em desenvolvimento. Durante esta sessão apenas a “técnica” de resolução de conflitos foi apresentada. Para futuras sessões será necessário aprofundar outras técnicas em relação a este contexto específico. Não foi feito uma autoavaliação no final do processo.

 

Por Pedro Pereira Leite

Dinamizador do Museu Educação Global e Diversidade Cultural
Museu Afro Digital - Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.